Gosto de sentir você colado em mim...

 

Gosto de todas as sacanagens que você me propõe...

 

Estou morrendo de tesão...

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Enquete Região
Qual sua região:
Brasil - Sul
Brasil - Norte
Brasil - Nordeste
Brasil - Central
Estados Unidos
Europa
Asia
America do Sul
Ver Resultados

Rating: 3.5/5 (1578 votos)



ONLINE
1





015 - 001 - Grupal
015 - 001 - Grupal

 

 

002 - Eu e meus mecânicos

 

             Chovia muito naquela tarde... Eu mal conseguia visualizar a pista e a luz de temperatura do meu carro indicava que o motor esquentava sem parar. Fiquei com medo de ver o motor fundido em plena estrada deserta, naquela chuva e naquele fim de mundo... Minha vontade era chorar de desespero...

          Quando sai de casa o calor era insuportável, por isso estava usando apenas um vestidinho leve de verão, com um decote bastante generoso, o que deixava meus seios quase visíveis dentro do sutiã, que, aliás, mal cabia neles...

          Sou uma mulher bonita, morena, olhos verdes e grandes que formam um conjunto muito interessante com os lábios carnudos onde uma boca generosa está sempre aberta para um sorriso sensual.

          Aquela situação estava me irritando profundamente e para piorar ainda mais, meu celular estava totalmente descarregado, só podia contar mesmo com a sorte. Foi quando avistei a beira da pista algo que parecia um posto de gasolina abandonado, quem sabe alguém pudesse me socorrer...

 

               Quando parei percebi que se tratava de uma borracharia com socorro elétrico e mecânico, olhei para dentro do minúsculo escritório e percebi que havia gente por lá, porém talvez por causa da chuva, ninguém veio ao meu encontro quando buzinei. O jeito foi ir até lá. A chuva diminuíra um pouco, mas não o suficiente para impedir-me de ficar literalmente ensopado ao caminhar para a entrada, o salto da sandália afundava na lama, mas o jeito era continuar.

              Quando cheguei próximo da porta, pude ouvir risadas e pessoas conversando alto... Olá! Boa tarde... Chamei. Passaram-se alguns segundos até que um homem aparecesse. Devia ser o mecânico, pois usava um macacão sujo de graxa.

             Pois não, moça. Qual o problema? Expliquei o que se passava com o carro. Ele pediu-me para aguardar que iria verificar. Durante alguns minutos examinou o carro e, sem nenhum pudor, me olhava dos pés a cabeça... Notei seu olhar carregado de desejo sobre meu corpo coberto pelo leve vestido molhado e grudado ao corpo... Seus olhos passeavam pelas minhas pernas, por meus seios apertados e pelo decote que deixavam ver uma generosa parte deles. Senti que seu tesão ia aumentando na mesma proporção em que o volume sobre o macacão aumentava... Isso começou a fazer com que minha calcinha também começasse a ficar encharcada e não era de chuva!

             Ele me pediu para esperar um pouco e foi para os fundos da oficina. Ao retornar veio acompanhado de mais dois rapazes, aliás, dois enormes e deliciosos rapazes... Eles eram belíssimos... Fortes, musculosos, usando aqueles macacões justos que não deixavam nenhuma dúvida sobre o que estavam guardando por baixo deles...

             Nessas alturas eu já estava dividida entre o tesão e a preocupação... Aquela situação era totalmente inesperada e nova para mim! Mesmo já tendo quase 36 anos e não ser nem um pouco tola, sabia ao que estava me expondo...  

            Eles examinaram o carro (e a mim, claro) durante uns instantes e me deram o veredicto: Moça, é o seguinte: Seu carro está com algum problema na parte elétrica, vamos precisar desmontar verificar e blá... bla... bla... Resultado: levará algumas horas... O que poderia eu fazer? Nada! Apenas aguardar. Eles me convidaram a ir até os fundos da oficina, onde poderia usar o toalete, me secar, tomar um café e esperar com algum conforto. Agradeci e um deles me conduziu até o local indicado. Confesso que, ao chegar lá, fiquei ainda mais surpresa... Havia mais quatro rapazes, sentados ao redor de uma mesa improvisada, disputando uma animada partida de baralho.

            Minha timidez foi logo superada quando eles começaram a conversar tranqüilamente comigo. Logo já falava com todos sobre diversos assuntos e percebia claramente que minha presença os excitava e que faziam questão que eu notasse o fato, deixando que eu visse seus cacetes duros sobre as calças igualmente justas... Estava excitadísssima! Decidi ver o que aquilo poderia render... Deixei que o vestido subisse mais sobre minhas coxas, alegando muito calor, desabotoei mais um botão do vestido... Então, um deles me convidou para jogar... Topei! E qual será a aposta? Perguntei maliciosa. Você... Ele me respondeu: _Se ganhar, não pagará o conserto do carro, porém, se perder... Fará o que cada um de nós quiser! E o que vocês querem que eu faça? Perguntei a cada um... Ah... Eu deveria ter ficado quieta... Eles começaram a dizer o que queriam como pagamento... Eu quero colocar meu pau na sua boca e ver você chupá-lo até me fazer gozar nessa boca gostosa... Eu quero foder a sua bundinha tesuda. Eu vou chupar a sua buceta até ver você gozar na minha boca! E eu vou foder você aqui, nessa mesa, com as pernas arreganhadas enquanto eles gozam na sua cara! Só de ouvir isso minha buceta já estava latejando... Pensei que além dos quatro havia aqueles três que estavam arrumando o meu carro! Não preciso dizer que fiz absoluta questão de perder...

            Mal coloquei as cartas na mesa, fui puxada para cima da mesa e o primeiro enfiou as mãos sobre meu vestido, e rapidamente já enfiava seus dedos dentro da minha buceta melada. Senti quando os cacetes começaram a entrar pela minha boca... Eu os chupava deliciosamente... Eles chupavam meus seios, me apertavam... Alisavam minha bunda e coxas... Eu delirava!

            Logo começaram a me foder! Enquanto um me fodia a buceta, outro já enfiava o pau na minha boca, minhas mãos, uma em cada cacete os masturbava... Eles gemiam, puxavam meus cabelos, mordiam meus peitos, e começaram a revezar minha buceta... O negro apenas observava... Eu gozava como uma cadela no cio! Só de ver aqueles machos me fodendo eu delirava! Eles me chamavam de tudo que gosto de ouvir... Sua vaca tesuda... Puta gostosa... Minha vagabunda... Piranha ordinária...

            Mas o melhor ainda estava pôr vir... Eles me arrastaram até algo que parecia ser um antigo banco traseiro de carro. Um deles deitou-se e mandou que eu enfiasse minha buceta no seu pau. O que fiz sem reclamar! Minha bunda ficou totalmente arreganhada para os outros três! E ele, então deu a ordem para que comecem a foder meu cu.

            Pôr um momento fiquei assustada! Todos tinham paus de tamanho considerável! Eu não sabia até onde meu cu aguentaria,

porém não fiz nenhuma resistência, mesmo porque só pioraria a situação. O jeito era relaxar e aproveitar! E como aproveitei!

           Eu gritava feito louca, numa mistura de dor e tesão! E o que continuava com o cacete na minha buceta excitava-se a cada grito que eu dava e quanto mais eu berrava, mais ele arreganhava minha bunda! Ele mesmo já havia enchido minha buceta de porra, porém seu pau continuava duro e latejando dentro de mim e não demonstrava nenhuma intenção de sair! Os rapazes fodiam meu cú e minha boca, alternadamente.

 

            Eu já havia perdido a conta de quantas vezes havia gozado. Só sabia que queria mais! Supliquei para que me enchessem de porra, no que fui prontamente atendida. Seus cacetes inundaram de porra meu cú, minha buceta, minha boca e todo meu corpo...

          Rindo muito eles se levantaram e todos beijaram gostosamente minha boca, numa deliciosa demonstração de carinho. Senti-me muito bem com o modo como me trataram...      

          Quando comecei a juntar minhas roupas espalhadas pelo chão para me vestir, ouvi alguém dizendo: Onde você pensa que vai gostosa? Olhei assustada... Não é que os três que, até então, arrumavam o carro encontravam-se parados, com pau na mão, prontos para me foder? Eu me curvei, oferecendo uma gostosa visão do meu cú aos que estavam atrás e pus-me a chupar aqueles paus deliciosos. Chupei cada um, enfiando tudo pela garganta abaixo. As mãos já percorriam minha buceta e meu rabo, nessas alturas ambos totalmente inchados de tanto foder... Cada um quis provar um pouco de cada, fuderam minha buceta, meu cú, minha boca. Novamente servi de recheio para o sanduíche. Adorei sentir aqueles paus me fodendo com tanto tesão... Era algo divino! Nunca eu havia gozado tanto em toda minha vida! Estava totalmente realizada! Num clima de muita sacanagem e cumplicidade meus rapazes encheram-me de porra novamente.... Sentia que todos meus buracos pareciam alguns centímetros maiores de tanto ser fodida!

  

          Os três gozando nos meus buracos e os outros quatro se masturbavam vendo aquela sacanagem toda... E foi com muito tesão que ofereci meus seios para que os quatro gozassem, juntos, ali mesmo!

 

          Exausta, joguei-me no tal banco e bebi com prazer a latinha de cerveja que me foi gentilmente oferecida. Finalmente todos pareciam satisfeitos.

        Completamente exausta fui até o banheiro e deixei a água gelada do chuveiro escorrer pelo meu corpo totalmente dolorido... Vesti o que sobrara do meu vestido e me dirigi até os rapazes. Eles já estavam vestidos e conversavam despreocupadamente sobre o ocorrido naquelas horas em que permaneci na oficina.

           Conversamos alguns momentos e, para minha total surpresa, fui informada de que o "problema" do meu carro era apenas um mal contato e que havia sido solucionado no momento em que o rapaz que me atendeu olhou o motor! Ele então, o tal rapaz, me confessou na maior cara de pau, que havia me achado deliciosa e que notou o quanto a minha carinha de safada demonstrava que eu gostava de uma boa sacanagem... Porém ele confessou também, que não esperava que eu fosse dar conta de todos eles! Ele apenas me entregou as chaves do carro, depois que eu prometi voltar numa outra oportunidade para uma nova rodada de baralho... Ah, e me prometeu novas e mais picantes!

 

001 - Minha esposa com três surfistas

          Somos casados há 12 anos, estou com 36 anos e minha esposa Bia com 33 anos. Sempre tivemos uma vida sexual regular e sem muita motivação até que começamos a ter algumas fantasias durante nossas relações onde imaginávamos outros homens transando com ela. Nós podíamos perceber que nosso relacionamento ficava mais intenso e gostoso nessa hora.

           O tempo foi passando e essas fantasias iam ficando mais apimentadas, ao ponto de um dia imaginarmos uma situação em que ela estaria com os olhos vendados fazendo boquete em vários de meus amigos. Cada vez que ela reconhecesse a pessoa durante o boquete, ganharia o direito de leva-la para o quarto e transar com essa pessoa, sem nenhuma restrição. Mas isso ficava só na nossa imaginação, até que...

 

 

                          

          Nas nossas últimas férias, fomos ao litoral norte, mais precisamente, Ilhabela e como não gostamos muito de ficar hospedados em hotéis, alugamos uma casa simples e muito aconchegante que costumávamos alugar todas as vezes que íamos para lá.

          Quem conhece Ilhabela sabe que lá, em época de férias, rola um clima especial relacionado a sexo, é difícil de explicar, mas que é diferente... é.

          Assim que chegamos, arrumamos nossas coisas, e fomos tomar um banho e transamos gostoso, obviamente imaginando tudo aquilo, e por estar em Ilhabela, nosso tesão aumentava e muito.

          Durante o dia, íamos para as praias, e sempre voltávamos com muito tesão, pois além do lugar ser maravilhoso, havia muita gente bonita. Eu me deliciava vendo as garotas, uma mais gostosa que a outra e Bia por sua vez fazia inúmeros comentários, tipo o volume sob as sungas dos rapazes que estavam velejando.

          Numa tarde de sábado, após voltar da praia resolvemos fazer um churrasquinho na parte da frente da casa, quando de repente toca campanhia. Era um rapaz, se chamava Paulo, devia ter uns 28 anos, alegando que seu carro estava com o pneu furado, e que também estava sem estepe.

          Além dele, havia outros dois rapazes, surfistas, pois estavam com as pranchas em cima do carro.Eles disseram que estavam voltando de Castelhanos, uma praia afastada muito boa para surfistas, quando furou o pneu do carro e o estepe também estava furado, e quando avistaram nossa casa, resolveram pedir ajuda.

          Pedi a eles que entrassem e lhes apresentei minha esposa Bia. Paulo nos apresentou seus dois amigos, André e Igor, ambos bronzeados, aparentando terem entre 22 e 25 anos. Igor era mais alto e tinha uma tatuagem discreta no braço.

          Bia foi muito gentil com eles e foi logo buscar cerveja e água para todos. Como estávamos em nossa casa, Bia trajava apenas um short curtinho, uma blusa bem soltinha, sem mangas e não usava nada por baixo da blusa. Reparei que nossos convidados não tiravam os olhos de Bia, que por sua vez se exibia cada vez mais aos rapazes.  

          Depois de algumas cervejas e de um bate papo bastante animado, me coloquei a disposição para ajudá-los a resolver o problema do carro. Tiramos o pneu furado e o estepe, colocamos em meu carro e fomos até um borracheiro para consertar os dois pneus. Bia insistiu para que eu fosse ao borracheiro apenas com o Paulo enquanto ela ficaria em casa com os outros rapazes. No princípio fiquei um pouco assustado, mas acabei concordando.

          Durante o trajeto, fui conversando muito com o Paulo, que falava animadamente sobre surf, praias e mulheres. Ao mesmo tempo, já muito excitado, ficava imaginando a situação de minha esposa Bia, sozinha com dois belos rapazes em casa.

          Depois de quase duas horas, com os dois pneus consertados, voltamos pra casa, já estava anoitecendo. Ao chegar, pude perceber o clima de intimidade que já havia se instalado entre eles, pois Bia a toda hora se virava pra mim e falava alguma coisa sobre os rapazes, o que eles faziam, de onde eram e suas aventuras... Ria muito, demonstrava estar muito alegre.  Foi então que perguntei aos rapazes onde estavam hospedados e para nossa surpresa disseram que estavam retornando a São Paulo naquela noite, pois não acharam nenhuma pousada pra ficar.

          Na mesma hora, Bia me pergunta se eles não poderiam dormir no outro quarto, pois além de uma cama havia colchonetes, não precisariam viajar a noite e pela manhã retornariam a São Paulo. Naquela hora passou um filme pela minha cabeça, tudo o que poderia acontecer naquela noite, e sem pensar, concordei com Bia e fiz o convite aos rapazes que mais do que depressa aceitaram.

          Ficamos durante algum tempo na sala ouvindo músicas, conversando e bebendo cerveja.  Depois Bia arrumou toalhas para os rapazes que um a um foram tomar um banho.

          Na sequencia Bia foi tomar banho e quando saiu estava vestindo apenas um minúsculo biquíni e uma saída de praia transparente, sem nada por baixo, deixando os seios durinhos bem a mostra.Então foi minha vez de ir tomar um banho, deixando Bia e os três rapazes na sala.

          Quando saí do banho Bia estava sentada no sofá maior entre André e Igor. Paulo, que me parecia o líder, disse em nome do grupo que estavam muito agradecidos por tudo que fizemos a eles e que gostariam de retribuírem de alguma forma.

          Não sei como, talvez pelas cervejas tomadas, Bia disse que havia sim uma maneira deles retribuírem, um dos rapazes perguntou qual seria essa maneira e completou dizendo: Podem pedir o que quiserem, nós fazemos questão de retribuir.

          O clima de tesão já estava impregnado no ar, estávamos todos um pouco altos devido as bebidas, foi quando Bia disse: Olha que eu vou pedir e vocês terão que fazer. Em seguida olhou em minha direção. Eu vendo que estava tudo tão próximo de acontecer, fiz um sinal de aprovação.

          Com sua voz um pouco trêmula, ela suspirou fundo e emendou: Eu tenho uma fantasia, que nunca foi realizada. Transar com vários homens ao mesmo tempo, ser usada por eles como uma vadia, fazer tudo que der vontade, e meu marido só ficar olhando. Na hora, parece que isto os deixou meio embaraçado, pois não esboçaram nenhuma reação no momento.

          Passado o susto, Paulo foi em direção de Bia e passando as mãos por todo seu corpo, começou a beija-la com força. Foi o sinal para começar toda sacanagem.

          André e Igor imediatamente começaram a se despirem ao mesmo tempo em que Bia acariciava seus membros, já bastante duros e fora das bermudas. Na maior cara de pau, ela vira pra mim e diz: Agora amor, você fica sentadinho ali no chão que eu vou foder com esses machos... Vou ser a putinha deles... Vou engolir toda porra que eles me derem...

         Aquilo parece ter botado mais fogo ainda em todos, pois rapidamente já estavam todos nus e com a pica bem dura. Pude notar que a maior delas era justamente do rapaz mais novo. Igor, e devia ter uns 20 cm. As outras eram normais como a minha, por volta de 15 a 17 cm.

          Imediatamente ela se ajoelhou ficando com as três picas em sua direção. Colocou uma na boca enquanto as mãos acariciavam as outras duas. Que visão deliciosa foi aquela. Minha esposa gostosinha, se deliciando com três varas nunca vistas antes. Ela ia chupando uma a uma, como eu nunca havia visto fazer antes. Não sabia qual chupava primeiro.  

 

 

 

          Uma a uma iam fazendo rodizio na sua boquinha. De vez em quando ela olhava pra mim e dizia: Tá gostando de ver amor? Que delícia...  Eu quero tudo isso dentro de mim. Quero ficar lambuzada de porra em todo meu corpo.

          Em seguida eles a levaram para o quarto e começaram a se revezar, cada um se ocupava de um pedaço de minha putinha.  Paulo foi o primeiro a foder sua bucetinha, enquanto André e Igor ofereciam suas varas para Bia punhetar e chupar.

 

 

 

          Fiquei num canto do quarto batendo uma punheta, olhando tudo, sem perder um lance, até que Bia me chamou em sua direção e disse: Venha me beijar... Sinta o gosto de pinto na minha boca. Hesitei um pouco no começo, mas fui mesmo assim. Não sei o porquê, mas ao beijá-la e sentir aquele gosto meio salgado em sua boca, quase gozei de tanto tesão. Ficamos nos beijando um longo tempo, quando de repente ao abrir os olhos, percebi que havia outra pica ali para ser chupada. Afasto-me um pouco, mas o suficiente para vê-la chupando bem gostoso, aquela vara grossa e dura como pedra, e o que é mais excitante, com aqueles barulhos característicos de uma chupada gulosa.

          Chega à vez de Igor foder minha querida Bia, ele aponta sua pica na direção da bucetinha e sem dó nenhuma, em uma única estocada, soca com força arrancando um gritinho espremido de Bia.

          A cena de ver Bia gemendo alto com aquela pica na buceta, enquanto os outros esfregavam os cacetes em seu rosto a procura de sua boquinha, me levava a loucura, nunca havia sentido tesão igual antes.

          Após algum tempo nessa posição, viraram ela de quatro, Paulo ficou por baixo fodendo sua buceta enquanto André que já havia experimentado a bucetinha de Bia colocou o cacete para que ela chupasse.

          Igor começou a acariciar o cuzinho de Bia, e com algumas cuspidas molhou um pouco a entrada do cuzinho, posicionou seu cacete e foi enfiando devagar, até colocar tudo lá dentro. Podia ver suas bolas batendo em sua bundinha. Achei que Bia não fosse aguentar, pois raramente dava seu cuzinho para mim.

 

 

  

          Ficaram por algum tempo naquela foda e desta vez, o rodízio foi no rabo, Igor que tinha a maior piroca saiu do cuzinho e foi para buceta, enquanto André foi experimentar o cuzinho e Paulo colocou a pica na boca de Bia.

          Após todos terem experimentado sua boca, sua buceta e seu cuzinho, Bia disse com casa de puta vadia: Agora quero ver todos vocês gozando bem gostoso na minha cara. Eu quero muita porra.

          Então ela novamente se ajoelhou no chão e os três ficaram em volta batendo punheta e apontando suas picas na direção do rosto dela. O primeiro a gozar foi Paulo, pude ver aquele leite branco escorrer da testa até sua boca e pescoço, passando pelos olhos e nariz. Como ela estava bem bronzeada o contraste de sua pele morena com aquele leite branquinho era uma visão demais de gostosa.

  

           Depois enquanto ela sugava até as últimas gotas de porra do cacete de Paulo foi Igor que gozou, novamente lambuzando todinho o rosto de minha putinha.

          Pela quantidade de porra que cada um despejou em seu rosto, pude perceber que eles eram três garotões e que o negócio deles era surfar, parecendo que estavam há bastante tempo sem pegar uma mulher, por isso o fato de ser em bastante quantidade e branquinho também.

          Após essas duas gozadas, o rosto de Bia já estava bastante lambuzado, e em meio a essa sessão de porra, ela diz: Falta você André... Eu quero que goze dentro da minha boca, quero tomar toda sua porra e foi abrindo a boca, colocando a língua para fora. Começa a lamber e chupar a vara de André.

          Quando ela percebe que ele vai gozar, abre bem a boca ele por sua vez, parece ter entendido bem o recado e segura firme a cabeça de Bia, como se a estivesse puxando em direção a sua pica e diz: Você quer beber porra putinha? Então vai tomar direto na fonte sua vadia. Vou gozar na sua garganta. Isso... Engole minha porra sua puta... Engole tudo... Toma minha porra toda, sua cadela gulosa... Vai... Vai... Vai...

          Nessa hora pude notar que ele estava gozando, pois começou a tremer todo enquanto Bia fechava os olhos e franzia um pouco a sobrancelha devido a quantidade de esperma que ele estava jorrando em sua boca.

 

 

           Sem o menor pudor, ela engole toda aquela porra, e acariciando levemente aquela pica ainda dura, olha para mim e diz: Ai que delícia, engoli tudo, tudinho... Nossa como você gozou André, como é gostosa sua porra, é bem grossa e saborosa. André nesta hora, totalmente exausto, vira pra mim e diz: Cara... Parabéns... Sua esposa é muito vagabunda.  Ela é gulosa tem uma boca deliciosa e chupa como ninguém... Pra terminar Bia ainda dá um beijo na ponta da cabeça do pau dele e diz: Sua pica é uma delícia, queria poder chupá-la todos os dias. Então ela se levanta, e fui com ela até a cozinha. Ela bebeu um pouco de água, ainda nua e com a cara cheia de porra e me disse: Amor... Você gostou de me ver sendo fodida por esses três machos de verdade. Como chupar pinto é gostoso.

          Voltamos para sala e encontramos os três ainda nus, já com suas picas um pouco amolecidas, e ficamos conversando um pouco sobre o acontecido. A expressão de felicidade e tesão de Bia parecia não querer sair de seu rosto.

          Eu e Bia fomos para o nosso quarto e transamos. Adorei sentir cheiro de outro homem no corpo de minha mulher. Assim adormecemos.

          Pela manhã notamos que os rapazes haviam se levantado antes de nós e seguiram viagem. Na mesa encontramos um bilhete agradecendo tudo que fizemos por eles. Também haviam deixado um número de celular dizendo:

Quando precisarem é só ligar... Beijos na sua bucetinha Bia...   

 

topo