Gosto de sentir você colado em mim...

 

Gosto de todas as sacanagens que você me propõe...

 

Estou morrendo de tesão...

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Enquete Região
Qual sua região:
Brasil - Sul
Brasil - Norte
Brasil - Nordeste
Brasil - Central
Estados Unidos
Europa
Asia
America do Sul
Ver Resultados

Rating: 3.5/5 (1578 votos)



ONLINE
4





015 - 003 - Incesto
015 - 003 - Incesto

 


001 - Minha irmã Mariana

                     Na época eu tinha 18 anos, Ia à escola no período da manhã e passava a tarde toda, sozinho em casa com minha irmã e nossa empregada Julia. Meus pais trabalhavam em outra cidade próxima a nossa e só retornavam pra casa no início da noite.

                    Tudo aconteceu numa segunda feira em que eu havia saído do colégio antes do horário normal e cheguei mais cedo em casa. Entrei e subi para o meu quarto, mas para isso tive de passar pelo quarto de minha irmã. Mariana tinha na época 19 anos. Como a porta estava aberta, olhei para dentro e encontrei minha irmã ajoelhada de frente para a cama chupando a pica de um amigo dela.

                    A cena me excitou e meu pau ficou duro na mesma hora. Quando eles me viram, ela parou assustada, ele vestiu as calças, levantou-se e saiu correndo sem dizer nada. Mariana, muito nervosa, começou a chorar me pedindo para não contar nada aos nossos pais, só que ela sempre me dedurava quando eu fazia alguma besteira. Disse a ela que contaria, pois o que ela fez foi muito grave. Não haveria jeito. Ela me implorou para que eu ficasse quieto, me ofereceu o dinheiro da mesada dela, disse que nunca mais iria me dedurar... Como eu não acreditava nisso, disse que já estava decidido, e que ela levaria uma bronca como eu sempre levava.

                    Ela estava desesperada e sem pensar me disse: E se eu fizesse o mesmo com você, você ficaria calado? Aquilo me deixou um pouco perdido, mas um bocado excitado. Recusando a ação eu esbravejei: Você acha isso certo, Mariana? Ela notou que meu pau estava duro e falou que sabia que eu ia gostar. Fez-me sentar na cama, ficou em pé na minha frente, começou a se despir. Primeiro a blusa, depois a calça, as meias, o sutiã e finalmente a calcinha. Meu pau estava quase saltando da calça de tão duro. Eu estava olhando a bucetinha raspada de minha irmã, quando então ela veio até mim, tirou minha camiseta e me deu um beijo na boca. Eu desviei a cara, mas ela disse: Agora que já começamos, deixe rolar... Não aguentei e me entreguei ao prazer. Respondi com um longo beijo de língua.

                    Mariana tirou meus tênis, minhas meias e calças, deixando-me só de cueca. Voltou a me beijar e ficou acariciando meu pênis por cima da cueca. Pedi que me chupasse, como fez com o amigo. Sem hesitar ela abaixou minha cueca e agarrou meu pau com força. Passou a me masturbar enquanto falava que queria me ver gozar na boca dela. Ajoelhou na minha frente e lambeu meu pau desde a base até a ponta da glande, deu umas lambidas nesta e começou a me chupar. Começou a subir e descer sua boca pelo meu pau me levando à loucura. Como ela chupava gostoso. Mariana ficou se deliciando com meu mastro por uns cinco minutos, até que eu gozei na boca dela.

                    Depois disso ela se levantou, foi até o banheiro e cuspiu na pia. Voltou para o quarto e pegou suas roupas com a intenção de vestir-se. Eu a agarrei por trás e disse que uma vez começado a sacanagem, teríamos que terminá-la. Deitei-a na cama e passei a chupar sua buceta que, apesar de não ser mais virgem, era bem apertadinha. Lambia com um cão e arrancava gemidos de prazer de minha irmazinha vadia. Chupei, lambi e mordisquei os lábios de sua vagina, fazendo Mariana gozar na minha boca. Ela virou-se e fizemos um 69. Meu pau voltou a ficar em ponto de ação e eu disse que iria comê-la.

                   Deitei-a na cama, fiquei em pé e coloquei suas pernas roliças para cima, cruzando-as sobre meus ombros. Encostei a cabeça de meu pau na entrada de sua grutinha e fiquei pincelando, só para provocar. Como sabia que ela tomava pílulas, nem me preocupei em colocar camisinha. Comecei a enfiar a cabeça do meu pau na sua xana e ela passou a gemer como uma puta. Enfiei tudo e comecei a mexer, fazendo um vai e vem bem rápido, com estocadas fortes. Minhas bolas batiam no cuzinho dela. Abri as pernas de Mariana, segurando-as no ar, formando um V, mexi cada vez mais rápido, até que gozei novamente, jorrando toda minha porra dentro daquela bucetinha. Deitei por cima dela e dei um longo beijo em sua boca. Saí da cama e sentei na cadeira da escrivaninha, observando minha irmã ainda deitada com as pernas escancaradas. Ela falou: Agora é minha vez de gozar. Voltou a chupar meu pau, até que ele endureceu novamente, não tão duro como antes, mas o suficiente para mais uma metida. Ela de frente para mim sentou no meu colo, deu uma levantada e encaixou meu pau de novo na sua buceta. Eu passei a chupar-lhe os peitos, enquanto ela cavalgava na minha pica. Ela cavalgou feito uma profissional, indo até a beira do meu caralho e sentando devagar. Deu uma parada, começou a rebolar cada vez mais rápido e gozou.

                    Ela saiu de cima e eu disse que queria gozar no cuzinho dela, mas ela disse que nunca tinha dado o rabo e que não daria pra mim. Eu queria mais, então aceitei em terminar comendo a bucetinha dela mais uma vez. Encostei-a na parede e levantei uma de suas pernas pela coxa, e com a outra mão direcionei meu caralho pra sua xota e enfiei tudo de uma vez.

                    Ela deu um gritinho, mas eu não parei. Pressionei Mariana contra a parede e levantei sua outra perna, tirando minha irmazinha gostosa do chão. Fiquei segurando Mariana por debaixo das coxas e fui estocando cada vez com mais força, pois estava morrendo de tesão. Mariana gritava de tanta dor e prazer que eu resolvi colocá-la no chão, com as pernas abertas. Novamente encaixei meu pau na gruta de minha irmã e enfiei com força, e ela voltou a gritar. Comecei então a mexer bem devagar, mas rigorosamente, até que nós dois gozamos juntos pela última vez. Infelizmente, nunca mais comi minha irmã, mas nunca esqueci essa nossa transa.

 

 

topo